Blog
General| 08.01.2015

SUSTENTABILIDAD Y WHITE FLOW ACONCAGUA

Basura! Lixo! Rubbish!

 
Parque Aconcagua está limpio porque hay 3 formas de cuidar de la basura! Me ha explicado el guarda parque Rubén!

1) la gente recibi una bolsa de plastico donde si responsabiliza por traer sus propios residios de alimentación cuando volven!

2) las empresas de expedición son las responsables de traer la basura comun desde campamento base Plaza de Mulas! Ellos han traido casi 22000kg en febrero de 2014, por ejemplo! 

3) la materia fecal es transportada desde Plaza de Mulas y Nido (5300m) por helicopteros!

Aún así en Berlin (6000m base camp) hay algo de basura dejado por los alpinistas! 
 
Son 80 vuelos (helicoptero) por temporada! Unos $87.000 dólares de costes!

No hay reciclaje en el Parque porque no hay sistema de reciclaje en Mendoza, la principal ciudad cerca! 

Bueno, esperamos que poco a poco la sustentabilidad sea más visible a los ojos del gobierno argentino! 

#vamos #record #reciclaje #whiteflowaconcagua
Leia Mais

General| 17.12.2014
Buenos días ARGENTINA!
 
Me llegada a Mendoza ha sido perfecta con la recepción de mi amigo Osky y con la calor de Argentina que parecía Brazil.
 
Estuve dando una charla White Flow para personas encantadorasa en una Bodega muy bonita llamada Bodega Los Tornelles. Ha sido una ,ágica experiencia.
 
Luego por la noche me ha llegado mi maleta, que estaba extraviada, pero con una mala notícia, me habian robado casi todo mi material dentro de la maleta. Mala suerte para el primer día? Quizás sí, pero esto no me ha dejado estresada o de bajón, sigo positiva y ahora mismo ya subo para la montaña a disfrutar del bonito día que hace por aqui.
 

Los materiales furtados ya recuperaré...con los materiales emprestados de amigos argentinos, algunos he podido comprar y otros mis sponsors me enviaran la semana que viene. Todo bien. Vamos...que el Aconcagua aqui está".

Podeis me seguir aqui también: http://www.trailrun.es/usuario/articulo/whiteflow-blog

Leia Mais

General| 12.12.2014

White Flow!!!!! Que ganas tengo de estar ya por la montaña... será la más alta de mi continente, la más alta fuera del Himalaya, una potencia y belleza natural para soñar! Para mí será un soño, estar tantos días por allí, cuidar de la montaña, conocerla, subir y bajar con toda mi fuerza y respecto! En el próximo mes de enero intentaré subir y bajar corriendo el Aconcagua para intentar establecer un récord de velocidad desde la entrada del Parque, desde el puesto de Horcones, hasta la cima del conocido como Centinela de Piedra, a 6.960 metros. El aspecto extradeportivo en esta ocasión será el de estudiar y mostrar al mundo el trabajo de sostenibilidad y reciclaje de residuos que se lleva a cabo en el Parque! Será una gran experiencia y GRACIAS, OBRIGADA por seguirme! Vamossss! 

White Flow !!!!! I really wish to be already in the mountains ... and this one will be special, the highest of my continent, the highest outside the Himalayas, power and natural beauty to dream! For me it will be a dream, be many days there, to be conected with this magic mountain with all my strength and respect! In the next January I will try to run up and down the Aconcagua to try to set a speed record from the park entrance from Horcones, to the top at 6960 meters. The extra sport appearance on this time will be to study and show the work of sustainability and recycling that takes place in the park! It will be a great experience and THANK YOU for following me! Vamossss! Letzrun!!!!!!!

 

 

 

Leia Mais

General| 07.09.2014

Tony Kuprika, Rory Bosio and I were relaxing in Rory's apartament waiting for the UTMB start. "10 min to go" ... we got the backpacks and walked to the start line. Wow! How many people, my God!

UTMB is a festival, the center of Chamonix was crowded, people hanging out the windows, all photographers looking at you and putting the camera in your face. The UTMB TV coming towards me, I answered the questions and I can not even remember what they asked ... Adrenaline is an incredible drug but impossible to control it.

The heart started "pumping", I wished a toilet, but no more time for it. I said good luck to the guys, a special one to François D'Haene, Jez Bragg who were beside me and Rory ... Núria Picas came from away to give me a "luck hug". The rain began to fall too strong and I protected myself beneath the arc start. I closed my eyes, to be grateful for the opportunity to be there, I thought about the people I love, I asked blessing and protection for anyone doesn't get hurt. 10,9,8 ... let's run.
 

We started in a smooth run, Rory, Núria and the italian Frederica. The french Natalie Mounclair had passed, but I have not seen her...in UTMB are 2.500 runners. Busy start. We were talking a bit on the way to Les Houches and then Rory and Nuria gone and I stopped for my first toilet stop. Then I never stopped (not running), but going to the bathroom. A mix of adrenaline, with cold rain, with heat humidity, with anxiety ... I do not know, but I went to the bathroom 6 times before arriving in Les Contamines (km31), first check point. I was estimating to reach there with 3h10 of run, but I arrive with 3h45. I lost 35min going behind the trees. I was disappointed and weak, I found Seb Chaigneau, he hugged me and said: "go quiet and slowly, relax"! I took one coconut water, ate ½ banana, 2 tablespoons of mashed potatoes, put the waterproof jacket, rain worsened and the night would be long and hard. I said “grazie mille” to my support crew Giulia and Chiara and also "gracias" to my Spanish coach Depa, who was worried there, cheering me up as well.

Out there I decided, I will run slowly, but I have my goal clear: cross the finish line, enjoy and give my best! Gradually I was getting better (4 times in toilet this time). The nervousness left me and I was enjoying run alone down the storm and fog. Down the Coll du Bonhomme, a runner steps on my trekking pool and breaks it. Stupid man, sorry, giant mountain, had to step right in my calluses? "Shit"! : (. I arrived at a check point, they checked my material, everything ok.

I love the dowhill from the Col du Bonhomme and the next ascent, the Col de La Seige (Italy) with 2.600m altitude. I felt in ecstasy over there, running up the road and trails. How I wish this power during all course ... but it is always like that, we have good times and bad ones. This was the most special moment for me, I felt good and comfortable, even with the strong storm falling at 2am ... I felt that my strength had returned and I had to work just to balance my mind and body. The heart was ok (I love to run), also the spirit (fighter and freedom spirit), but the head and the body are the other two parts that I try to work and focus during my races.

The sunrise came wonderful to Arnuva check point before to be climbing the wicked Grand Col Ferret. The glaciers changed color with the different lights of dawn ... pure energy and pure life.



La Fouly, another check point, was the place that the organization puts the GPS in my arm, which means I'm one of the leaders. I still do not want to know my position among women, but I'm glad to know I was in the top 5. Running to Champex Lac (Switzerland) I jumped a little river and my leg was blocked ... hard pain, a problem behind the knee, my harmstring was blocked. I put some glaciar water on the legs to keep going. I couldn't open the right leg running on flat and downhill, felt more pain and trying to eliminate the pain of my breath, the leg would not open, it seemed that it was something more for my mental strength surpassed, the body would not let advance. Deep breath, blew out the pain and with patience I was running slower but comfortable to the leg.

I arrived in Champex Lac asking my position: 4th among women. But I explained to Giulia and Chiara (support crew) to be prepared for one more night ... no matter what happened, I really wish to complete the UTMB within 46 hours and my goal was to complete, going slowler or faster.



I reached Vallorcine last check point and they told me I was 4th place and my friend, the Spanish Uxue Fraile (Transvulcania 3rd, 3rd European Championship) is 1 minute behind. I picked up a new bottle of water and comes out without thinking about the tiredness, hunger or pain. It was the last effort. Affff...crazy moment...climbing up the last and most insane of all: Tête aux Vents. A high mountain that I cross running in 3h30 min ... and I still have to take the final sprint. Too much pressure: 1 minute difference. And where is the power after more than 22 hours running in those conditions? Still places never explored in the body and head for us, animals.

In the last 5 km I see Gui Padua a brazilian base jumper/runner sit down on a rock waiting to give me "motivation" with his camera to film my last steps to the finish line.

http://youtu.be/h85nU_hkM3Y



26h05 ... Sense of flying, exctasy mixed with peace, smiling face of happiness multiplied by the energy of the people who are in the center of Chamonix screaming Fernanda! Thanks to all who help me and follow me, my gratitude is immense!



Thanks to Chiara, Giulia, Depa, Gui, Seb, Rory, Dominique, Sergio, Leo, Keith, Tizi that was thinking and taking care of me all these days in Cham. Thanks to my family and amora friends. Thanks The North Face, Compressport and Overstims. Congrats to ALL that could cross this finish line and had a special moment in these mountains.

UTMB, is my last race of the season and I finish the Ultra Trail World Tour in second place behind Núria Picas (right now, but is difficult to imagine other runner passing us by points after the Diagonal de Fous, the last race of the circuit, I hope). I'm happy with the Brazilian record (men and women) obtained at UTMB and TDS races, that means persistence, just that, all the brazilians can go for it. After crossing the finish line, I sat down and I couldn't stretch more my leg. I had some broken fibers, but nothing serious, a week of rest and then continue enjoying my vacation of running in Brazil, preparing for my next project White Flow Aconcagua in december. #movepositive #bellezapura #letzrun #vamos # utmb14 #obrigada #merci #tks #gracias #welovemountains

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eu, Tony Kuprika e Rory Bosio nos concentramos no apê da Rory ao lado da largada até às 17h20, “10 min to go”... colocamos a mochila e caminhamos até o pórtico. Quanta gente, meu Deus, UTMB é um festival, a praça estava lotada, pessoas dependuradas pelas janelas, todos os fotógrafos te olhando e colocando a câmera na sua cara. A UTMB TV vindo em minha direção, respondi as perguntas e nem me lembro mais o que perguntavam...adrenalina é uma droga incrível e impossível de ser controlada. O coração começou a “bombar”, vontade de ir no banheiro, já não dava mais tempo, dei boa sorte aos meninos, um especial ao François D'Haene, Jez Bragg que estavam ao meu lado e à Rory... Nuria veio de longe para me dar um abraço de sorte, somos amigas. A chuva começou a cair forte demais, me protegi em baixo do arco de largada, fechei meus olhos, agradeci a oportunidade de estar ali, pensei nas pessoas que amo, pedi benção e proteção para ninguém se machucar. 10,9,8...fui.

Largamos numa boa, eu, Rory, Nuria Picas e a italiana Frederica. A francesa Natalie Mounclair, havia passado, mas eu não a vi, no UTMB são 2.500 corredores. Estivemos ali por um tempo conversando até Les Houches e depois Rory e Nuria se foram e eu parei para meu primeiro toilet stop. Depois, não parei mais (não de correr), mas de ir ao banheiro. Uma mistura de adrenalina, com frio da chuva, com calor da umidade, com ansiedade...não sei, mas fui 6 vezes ao banheiro antes de chegar em Les Contamines (km31), primeiro check point. Calculava em chegar ali com 3h10, e cheguei com 3h45. Perdi 35min nestas idas atrás das árvores. Fiquei desilusionada e fraca, encontrei Seb Chaigneau, este me abraçou e disse: “vai tranquila”! Tomei uma água de coco, comi ½ banana, 2 colheradas de batata amassada, coloquei a jaqueta impermeável, a chuva piorava e a noite seria longa e dura. Agradeci o apoio da Giulia e Chiara (italianas que fazem minha assistência) e também dei um “gracias” ao meu treinador espanhol Depa, que estava por ali preocupado, me animando neste momento.

Sai dali decidida, correrei devagar, mas meu objetivo eu tenho claro: cruzar a meta e dar meu máximo! Aos poucos fui melhorando, o nervosismo passou, ninguém mais me via, corria sozinha embaixo do temporal e da neblina. Descendo o Coll du Bohomme, um corredor pisa no meu trekking pool e quebra. Sacanagem, tanto lugar para pisar num montanha tão gigante, tinha que pisar bem no meu calo? “Mierda” disse ao corredor francês. Já eram os bastões. Chego em um check point e revistam meu material, tudo ok.

Amo este dowhill do Col du Bohomme e a subida que vem na sequência, o Col de La Seige (Itália), é uma subida de 2.600m de altitude. Me sentia ali em êxtase, corri toda a subida, tanto nas partes das pistas, como nas trilhas, me senti “power” neste momento. Como eu queria que isto durasse...mas é sempre assim, temos momentos bons e ruins. Este foi o momento mais especial para mim, me senti bem e confortável, mesmo com o temporal forte caindo às 2 horas da madrugada na minha cabeça...ali vi que minhas forças tinham voltado e que tinha apenas que trabalhar para equilibrar cabeça e corpo. O coração eu tenho (amor por correr), o espírito também (vontade de lutar e sentir livre), mas a cabeça e o corpo são as duas outras partes que eu sempre tento trabalhar e focar durante minhas provas.

O dia amanheceu maravilhoso antes de descer a Arnuva e subir o tão temido Grand Col Ferret. Os glaciares mudavam de cor com as diferentes luzes do amanhecer...pura energia e pura vida.

Em La Fouly, mais um check point, e a organização me coloca o GPS no braço, o que quer dizer que sou uma das líderes. Sigo sem querer saber minha posição entre as mulheres, mas fico feliz em saber que estou entre as 5 melhores. Sigo em frente em direção a Champex Lac (Suiça). Salto um riacho para seguir pela trilha e minha perna trava...que dor, um estiramento atrás do joelho, nos isquios. Começo a mancar, que dor estranha, passo água gelada de glaciar e sigo com dificuldade, porém tentando esquentar o músculo para queeu consiga abrir a passada.

Não conseguia abrir a passada da perna correndo em plano e nas descidas, sentia dor e por mais que tentava eliminar a dor das minhas sensações, a perna não abria, parecia que era algo que por mais que minha força mental superasse, o corpo não deixava avançar. Respirava fundo, soprava a dor para fora e com paciência, ia correndo num ritmo mais devagar porém confortável para a perna. Chego em Champex Lac, pergunto minha posição: 4ª entre mulheres. Porém explico a Giulia e Chiara que estivessem preparadas para me apoiarem por mais uma noite... independente do que acontecesse, eu poderia completar a UTMB em até 46 horas e o meu objetivo era completar, indo mais devagar ou rápida.

Chego em Vallorcine, último check point e me dizem que estou em 4º lugar e minha amiga, a espanhola Uxue Fraile (3ª Transvulcania, 3ª European Championship) está a 1 minuto por detrás de mim. Peguei uma nova garrafinha de água e sai sem pensar no cansaço, na fome ou dor, faltava pouco e era o último esforço. Affff, agora restava subir a última e mais insana de todas: Tête aux Vents. Uma montanha alta que cruzo correndo em 3h 30 min...e eu ainda teria que dar o último sprint. Muita pressão:1 minuto de diferença. E de onde tirar forças depois de mais de 22 horas correndo naquelas condições? Animal ameaçado tira forças de lugares ainda nunca explorados no corpo e cabeça.

Nos 5 últimos quilômetros vejo o Gui Padua, um corredor base jamper brasileiro muito querido que me esperava sentando numa pedra para me dar “ânimos” e com sua câmera registrar minhas últimas pernadas até a linha de chegada.

http://youtu.be/h85nU_hkM3Y

26h05...Sensação de voar, um êxtase misturado com paz de espírito, sorriso no rosto de felicidade multiplicada pela energia das pessoas que estão na praça de Chamonix tocando nas minhas mãos e gritando Fernanda! Obrigada a todos que me ajudam e me seguem, minha gratidão é imensa!

Obrigada Chiara, Giulia, Depa, Gui, Seb, Rory, Sergio, Dominique, Leo, Keith, Tizi que cuidaram tanto de mim em Chamonix. Obrigada minha linda family e amigas amoras. Obrigada TNF, Compressport Brasil e Overstims. Parabéns a TODOS que conseguiram cruzar a linha de chegada e puderam passar um momento especial por estas montanhas.

Com esta corrida UTMB, termino minha temporada de provas, finalizo o circuito mundial de Ultras como vice-campeã atrás de Núria Picas (até o momento, imagino que seja difícil alguma outra corredora nos passar por pontos depois da Diagonal de Fous, última corrida do circuito).

Fico feliz com o record brasileiro (entre homens e mulheres) obtido na UTMB e TDS e dou férias para meu corpo e cabeça. Depois de cruzar a chegada, sentei e não consegui mais esticar a perna, tive algumas fibras quebradas, mas nada sério, uma semana de repouso para depois seguir curtindo minhas férias de corridas pela Europa, Brasil e preparar meu novo projeto White Flow Aconcagua em dezembro. #movepositive #bellezapura #letzrun #vamos #utmb14 #obrigada #merci #gracias #tks #welovemountains

Leia Mais

General| 26.05.2014

AUSTRÁLIA 100KM: escadarias verticais de ferro para “pagar pecado e ir diretamente ao céu: linha de chegada”!

As pernas dizem basta, já deu, não tem de onde tirar forças para avançar quilômetros! Meu útero estava deslocado por conta do acúmulo de quilômetros e por isto meus joelhos também doiam (segundo os osteopatas)! Meus olhos fechavam. Cansaço, poucas horas de sono e muitas de horas de vôo: USA, Europa, Japão, Europa, Austrália! E a cabeça dizia que sim, “você pode e que tem que seguir”!

As pistas off road são eternas, correr pela areia e sobre as pedras pequenas pontudas me doem a planta dos pés. O vento que refresca minha cara, me empurra para trás. Me sento ao meio da montanha para refletir. Paro, respiro, como mais uma barrinha energética de banana. Respiro, me levanto e sigo. Não me vejo com forças como em outras provas, me vejo como em meus primeiros treinos emc casa depois de Mont Fuji, minha passada é curta, sem flexibilidade, sem poder de impulção... Sigo, corro um pouco, caminho um pouco, que tristeza...não tenho forças para subir correndo nem esta colina. Sigo, mas porque sigo? Tem sentido, se não estou 100%? As escadarias de ferro dizem que não, não siga. Sento novamente, corredores me perguntam se estou bem, digo que sim. “Sim, são apenas as pernas que não seguem mais meus comandos”. Como mais, bebo mais. Me levanto e sigo, ao final estou ali para correr. Foram mais de 25 horas de vôo, perdi noites de sono, dois dias de trabalho para chegar até ali, mil horas de concentração e preparação. Toda a energia que me enviam meus seguidores, família e amigos. Quero me deixar sentir isto. Daria tudo para completar a Austrália 100km, para viver esta experiência e sabia que teria 26 horas (limite de horas dada pela organização) para cruzar a linha de chegada.

Estava em segundo lugar atrás de Nuría Picas, me passa a americana corredora da Montrail Joelle Vaught, tento seguir seus passos, impossível. Começo a bufar, mantenho meu ritmo devagar porém constante, sem pensar. Falo comigo mesma, “Não pense, corra, abra seus olhos, veja estas lindas samambaias decorando estas cachoeiras de água cristalina”. Paro, lavo minha cara e sigo saltando pedras e escalando rochas para cima de um longo caminho que corta um vale selvagem.

Chego em mais um tramo de escadarias, olho para cima e não vejo o fim. São escadas verticais construídas de ferro. São inúmeras, passamos horas subindo ou descendo escadas. Para cruzar as grandes paredes rochosas (chapadas) não há trilhas, são escadarias (via ferrata). Me passam mais duas corredoras, uma canadense e uma australiana, esta que é triatleta campeã e que já completou mais de 15 Iron Mans. Tento seguí-las, “no way”. Agora estava em quinto lugar e não tinha forças para lutar. Neste momento de dor, de tanta dor nos quadríceps, panturrilha, pé, costas, cintura...lembrei do meu avô Lourival lutador de jiu jitsu, que antes de morrer, com dificuldade para falar, deitado e coberto de aparelhos num quarto de hospital, me dizia : “Nanda, você tem que ser ainda mais guerreira!”. Estas foram suas últimas palavras para mim, quando eu tinha meus 20 anos. Pois sem nada na cabeça, me veio esta sua frase e presença. Respirei e segui. Perdi de vista as duas corredoras, mas segui, “comendo quilômetros” e deixando para trás 46 km de prova.

Chego no check point 4, esgotada, sento e digo a Stephen e Lisa, me ajudem por favor, tenho que chegar até o fim. Stephen me diz: “Fer, você vai super bem, está apenas 4 minutos atrás das duas corredoras que acabam de passar por aqui”. Explico a Stephen que para mim não importa as outras corredoras, o meu objetivo é chegar e concentrar em mim mesma, na minha corrida e experiência. Ele concorda e diz: “Ok, agora são 22km bem duros com técnica e descida pelas escadarias, provavelmente você fará em 3h”. Dou entrevista para a TV Australiana, digo que estou sem equilíbrio entre a parte física e mental. A física diz para parar, mas a mental diz que não porque não há motivo para parar. Me levanto da cadeira com dificuldade, pego a viseira, pois o sol já queimava e sigo com a mochila bem pesada carregando os 2 litros de água e uma lista enorme de material aobrigatório. O importante era apenas correr e deixar minha cabeça vazia de ego, pressão, pensamentos que não fossem positivos.

As vistas são incríveis, nunca estive na Chapada Diamantina no Brasil, mas pelas fotos que já vi, se assemelham muito as chapadas das Blue Mountains. Corro por trilhas pequenas, single tracks e vejo ao meu lado direito toda a imensidão deste vale. Nunca imaginei que estas montanhas fossem assim vistas de tão alto. Um mix de cores, verde-vivo presente na floresta, vermelho-laranja nas rochas verticais e azul escuro forte estampado no céu.

Sigo e vejo a triatleta na minha frente, porém não posso seguir, não tenho mais água. Sigo correndo sem forçar o ritmo e passo pelo meio de um condomínio com mansões. Acho uma torneira com água depois de 4 tentativas. Completo uma das garrafinhas de 500ml e sigo correndo. Tudo de bom, água fresca e gelada! Sigo animada, neste momento faltavam uns 5 quilômetros até o check point 5, o último check point antes da chegada.

Passo a triatleta, pergunto se ela está bem e se ela corre Iron Mans, ela diz que sim e que achou bonita minha tattoo. Ela se coloca ao meu lado, corremos juntas por uns dois quilômetros, mas ela não me deixa ir, segue meus passos, e mais uma vez me ultrapassa, era um tramo plano pelo meio de estradas de areia fofa. Chega o tramo de asfalto, que dor de quadríceps, mas me sinto mais animada, passo novamente a triatleta e sigo. No fim da estrada vejo a canadense, que bom, estava recuperando minhas forças? Chego ao Check Point 5 em terceira posição, segundos na frente das duas corredoras.

Me sento e me cuido tranquilamente, Stephen e Lisa massageam minhas pernas, me colocam gelo para refrescar, como minha batata doce com abacate e um pouco de Alimento 640 (preparado de carbo). As duas deixam a zona e começam a correr antes que eu. Agora eram 18km, porém com uma subida ao meio de mais de 700 metros positivos, uma longa descida cruzando dois rios e 3 km de subida pelas escadarias verticais de ferro para “pagar pecado e ir diretamente ao céu: linha de chegada”!

Passo a triatleta e a canadense num ritmo bem forte (melhor do que eu tinha antes), era uma descida por pista cheia de pedrinhas pequenas e escorregadias. Sigo e sigo com toda minha força, não quero que elas me vejam mais. Coloco os fones no ouvido e escolho uma canção que me faz bem para subir correndo toda a montanha de 700m de ascenção. Faço força para abstrair a dor e tento deixar a cabeça vazia. Aparece a placa de 85km. “Pão comido” (como dizem na Espanha).

Agora era correr o máximo, até a perna arrebentar, porém sem desmaiar. O sol vai embora e a noite chega, faltam 5km pelo meio de um bosque encantado com barulho de cachoeira. Macacos gritam, ops não eram macacos, eram pássaros enormes como um pavão gigante. E eles gritavam ou cantavam. Aparece uma luz por detrás de mim, um corredor com ritmo forte, olho e pergunto quem é...seria uma das corredoras? Ufffa, não, era um corredor australiano. Pergunto se ele sabia quanto tempo atrás de mim estava a corredora canadense. Ele diz de 5 a 10 minutos. Pronto. Dei tudo. Não queria deixar de lutar. “Sangue nos olhos” (como dizem no Brasil). Os últimos 3 km de escadaria em direção ao céu, foram de pura adrenalina e força mental.

Com 11h46 min consegui cruzar a chegada da Austrália 100km.

Apenas 2 minutos de diferença da americana Joelle Vaught e 48 minutos atrás da minha amiga Nuría Picas que bateu o recorde da prova, sendo que a prova deste ano apesar de ter a mesma quilometragem era mais técnica e com mais desnível pesado. “Felicitats Nuría”.

Parabéns a todas estas incríveis corredoras e pessoas, à organização. Obrigada a todos vocês que me seguem e me inspiram, é isto que faz um esporte ser bonito e trazer positividade.

Leia Mais

General| 30.04.2014

Este ano a Ultra Trail Mont Fuji teve um total de 2.500 ultra runners. Posso dizer que a maioria destes corredores são japoneses, porém esta edição foi mais dura que os outros anos por muitos motivos. Explico... primeiro porque nevou e choveu muito dias antes à largada, a organização aumentou o percurso em 9km (agora com 169km no total), sendo que os líderes da prova fizeram estes simples 9km em 1h30, ou seja, mais tempo de prova nesta edição da UTMF. Este ano esta Ultra também fez parte da Ultra Trail World Tour, o que quer dizer que os corredores que brigam pelo título de melhor Ultra Runner do mundo estariam aqui presente, o que aumentou o nível competitivo da prova.

Larguei suave ao lado de Nuría Picas às 15h da sexta-feira passada. Nuría é minha amiga e companheria de equipe Compressport, é ela quem lidera hoje o ranking da Ultra Trail World Tour e é campeã mundial de Ultras 2013. Eu e Nuría observavamos na largada como corria rápida a francesa, Nathalie Monclair, nossa também companheira de equipe Overstims e campeã mundial de maratonas por montanha 2012. Eu disse a Nuría, “Wow, alucinante, Monclair se matará assim, saiu muito rápida para uma prova de 100 milhas”. Nuría concordou e disse, “Fê, você e eu vamos super bem neste ritmo e assim se corre.” Assim, seguimos juntas, correndo tranquilas, porém correndo toda a montanha acima. Francesca Canepa, italiana, também nos passa por um momento na primeira subida, mas logo fica por detrás na primeria descida da prova. Nuría me passa e assim eu mantenho a terceira posição, atrás de Monclair (que estava correndo muito rápida, entre os 7 primeiros homens) e atrás de Nuría que seguia por detrás de Monclair.

Minhas sensações durante toda a prova foram as melhores, corri os primeiros 90km de prova em 9h35 min e super feliz com minha performance nesta metade de prova. Depois seria seguir com o mesmo ritmo, comer e hidratar bem até cruzar a linha de chegada. Minha equipe de apoio era formada por duas japonesas e um japonês. Eles não sabiam muito bem o inglês e era engraçado que eu pedia “um gel” e elas me davam “pomada anti-flamatória para massagear as pernas”. ; ) Aff..., depois eles melhoraram no decorrer na prova e me surpreenderam com tanto carinho e motivação em querer me ajudar. Arigato. Ser apoio em uma prova de 24h é difícil e cansativo.

Depois desta metade da prova começava a parte mais dura, as montanhas mais altas, mais técnicas com downhills perigosos. As descidas eram entre árvores caídas, raízes altas, pedras pontudas, bambus traiçoeiros, cristas aéreas... Todos os corredores acabaram com hematomas. As subidas eram destas de correr com as mãos e não com os pés, assim você imagina um pouco o perfil de uma montanha japonesa. Consegui na primeira montanha, ultrapassar a Monclair e abrir vantagem de 30min em relação ao tempo da Nuría no mesmo tramo. Obrigada ao Mont Fuji que junto às luzes do nascer do sol me deram forças para lutar contra o sono e cansaço. Assim, minha diferença entre Nuría foi diminuindo e eu seguia com as boas sensações, sem forçar muito meu corpo e minha cabeça para tentar ser mais rápida que meu limite em dar o máximo. Não queria morrer no fim do túnel, sabe. Queria completar minha primeira 100 milhas tendo uma lembrança de ter dado tudo, sem afogar, onde curtir o momento, a natureza e a energia das pessoas ali me animando era o que me completava.

Nos últimos 3km de prova, vejo que poderia fazer realidade um sonho, completar uma Ultra de 100 milhas com quase 20.000m de desnível acumulado abaixo de 24h. Acelerei, quase vomitei para dar o restinho de “gas” que tinha, deixei meus duros quadríceps se tornarem “pedras” e “viajei” em cada passada minha, no movimento que eu amo que é “correr”. Yessss.....19 min atrás de Nuría Picas, com os braços abertos e as melhores sensações possíveis. Vivendo o presente em 23h46min com o Mont Fuji me abençoando. I DID IT.

Obrigada a todos por me seguirem e me apoiarem cada dia mais. Gracias patrocinadores The North Face, Compressport e Overstims. Petzl e Evoke pelo apoio. Em duas semanas corro nas Blue Mountains, será minha terceira ultra da Ultra Trail World Tour, a Austrália 100km. Siga-meeee. : )

www.facebook.com/ferultratrail

E não podemos deixar de parabenizar nosso amigo e campeão François D'haene e Nuría! Parabéns champs!

Leia Mais

General| 05.03.2014

 

TRANSGRANCANARIA  

Primero desafío de Fernanda Maciel en el Ultra Trail World Tour 2014

En el pasado fin de semana, Fernanda Maciel corrió su primera carrera puntuable para el Ultra Trail World Tour. El nuevo circuito mundial de ultras de montaña, creado en 2014, cuenta con algunas de las más duras y emblemáticas pruebas celebradas alrededor del mundo y con los mejores corredores de la actualidad. Hacen parte del circuito 10 carreras, todas con distancia de al menos 100 kilómetros, celebradas en lugares emblemáticos, con 500 participantes como mínimo y al menos dos ediciones ya realizadas.

19 de enero Vibram® Hong Kong 100Hong Kong, China

1 de marzo The North Face® TransgrancanariaEspaña

15 de marzo Vibram® Tarawera 100 km Ultramarathon Nueva Zelandia

4 a 14 abril Marathon des SablesMarruecos

27 de abril Ultra-Trail® Mt.Fuji, Japón

18 de mayo The North Face® 100 AustraliaAustralia

28 de junio The North Face® Lavaredo Ultra-Trail, Italia

29 de junio The Western States 100 Mile Endurance RunEE.UU.

31 de agosto The North Face® Ultra-Trail du Mont-Blanc, Francia, Italia, Suiza

26 de Octubre La Diagonale des FousIsla de la Reunión, Francia

Fernanda empieza a puntuar con la The North Face Transgrancanaria, celebrada entre los días 1 y 2 de marzo. La carrera, que recorre los senderos y pistas de la isla española Gran Canaria, tiene un total de 125 kilómetros y 8.500 metros de denivel acumulado. Fernanda, que había sido campeona de las ediciones de 2010 y 2012, logró este año un disputadísimo tercer puesto con un tiempo de 17h31min, que le supo a victoria. Delante suya cruzaron la meta la italiana Francesca Canepa, líder del circuito hasta el momento, y la española Nuria Picas, vencedora del Campeonato del Mundo de ultras de 2013.

Ahora la atleta brasileña se prepara para correr, a finales de abril, el Ultra Trail Mont Fuji, una carrera de 160 kilómetros, 9.100 metros de desnivel acumulado alrededor de la más alta montaña japonesa.

- PARA SABER MÁS:

www.transgrancanaria.net www.ultratrailworldtour.com www.ultratrailmtfuji.com

- LA CRÓNICA EN PORTUGUÊS:

A Ultra Trail World Tour é o mais novo circuito mundial de Ultras. Um circuito onde os corredores de Ultras buscam o título correndo as provas mais difíceis (dificuldade técnica, desnível e quilometragem), de grande beleza natural e mais disputadas.

Neste circuito o ultra runner tem que correr 3 provas no mínimo das 10 eleitas para pontuar. Sendo obrigatório escolher: 2 corridas “series” (*) e 1 corrida que não é “series”. As Ultras são:

Vibram Hong Kong 100 (China) / The North Face Transgrancanaria *series (Espanha) / Vibram Tarawera (Nova Zelândia) / Marathon des Sables (Marrocos) *series / Ultra Trail Mont Fuji *series (Japão) / The North Face 100 Austrália /The North Face Lavaredo (Itália) / The Western States 100 miles (USA) / The North Face Ultra Trail du Mont Blanc (França/Itália/Suíça) *series / Diagonal de Fous (Ilha Reunión).

Assim, Transgrancanaria foi eleita por Fernanda a primeira prova do circuito, uma Ultra de 125km, com 8.500m de desnível positivo pela ilha de Gran Canaria. Fernanda já obteve dois títulos anteriormente como campeã da Transgrancanaria (2010/2012) e este ano conseguiu o 3º lugar depois de uma grande disputa pela segunda colocação com a italiana Francesca Canepa.

Fernanda esteve praticamente toda a prova correndo atrás de Nuría Picas (ESP- campeã mundial de Ultras 2013) e adiante das corredoras Francesca Canepa (ITA - que lidera o circuito Ultra Trail World Tour até o momento), Caroline Chaverot (FRA- campeã CCC Ultra Trail du Mont Blanc 2013), Rozalia Wermescher (campeã da Hungria de Ultras), Nerea Martinez (campeã Transgrancanaria 2013), Uxue Fraile (3º lugar Campeonato Europeu 2013) e entre muitas outras de um total de 2.950 corredoras e corredores. Houve muita disputa pelo podium este ano. Quando faltavam 15 km para o final da prova, a corredora brasileira foi surpreendida pela corredora italiana que vinha impondo um impressionante ritmo. Fernanda seguiu lutando para que não se escapasse o 2 lugar. As corredoras, estiveram bastante tempo correndo forte uma ao lado da outra até que Francesca conseguiu abrir uma vantagem sobre Fernanda cruzando a meta com 2 min de diferença.

A prova na ilha tropical largou à meia noite do sábado. Os corredores foram acompanhados por chuva e vento forte durante toda a noite correndo por verticais e longas subidas técnicas. Durante o dia, para cruzar a linha de chegada ao Farol da praia de Maspalomas (sul da ilha), o que predominou foram o calor e as descidas com pedras soltas dentro dos barrancos secos cheios de cactos.

Fernanda completou a prova em 17h31min e tem como próximo objetivo a Ultra Trail Mont Fuji, uma prova de 160km com 9.100m de desnível positivos pela mais alta montanha japonesa.

Leia Mais

General| 18.02.2014

O Parque Nacional do Itatiaia é a mais antiga reserva ecológica estabelecida no Brasil, criada em 1937, bem na divisa do estado de Minas Gerais e Rio de Janeiro, numa região montanhosa conhecida como Serra da Mantiqueira. Seu ponto mais alto é o Pico das Agulhas Negras com 2791 metros de altitude.

Para quem gosta de estar em contato com a natureza, o Parque do Itatiaia proporciona a opção de percorrer várias trilhas no meio da mata preservada, com fauna e flora bem diversificada, que levam até mirantes com lindas vistas panorâmicas e cachoeiras para se refrescar.

Na Parte Alta do parque há muitas atrações naturais como o Maciço das Prateleiras, Vale do Aiuruóca, Pedra do Altar e o famoso Pico das Agulhas Negras, que por muito tempo foi considerado o ponto mais alto do Brasil. Esta região do Parque do Itatiaia tem trilhas com alta dificuldade, o que requer certa experiência e um guia local credenciado.


 

 

Já a Parte Baixa do parque também apresenta alguns atrativos naturais como mirantes e cachoeiras. O atrativo mais famoso é o Complexo da Maromba, onde estão situadas a Cachoeira Véu da Noiva e a Piscina Natural da Maromba. O Mirante do Último Adeus é outra atração da Parte Baixa do Parque do Itatiaia. Está situado a apenas 1 km da entrada do parque, de onde é possível avistar a Hidrelétrica de Furnas, montanhas do parque e até cidades vizinhas, além do Rio Campo Belo.

 

 

 

 

Na Parte Baixa do Itatiaia também está localizado o Museu da Fauna e da Flora, que expõe diversas espécies de animais e plantas encontradas na região. E acreditem, também há poucas pousadas e restaurantes com permissão de permanecerem estabelecidos local, pois foram construídos antes do parque ser criado em 1937. 

Com fácil acesso, a Parte Baixa é muito visitada durante o ano inteiro, principalmente por quem está hospedado na cidades e vilas localizadas próximo ao parque. Além da cidade de Itatiaia, outra cidade desenvolvida na região é Resende. Penedo é uma vila situada bem próximo à Rodovia Dutra, com ótima estrutura para receber os visitantes, com muitas opções de pousadas e restaurantes, além de amplo comércio.


Já Visconde de Mauá é outra charmosa vila que está situada no alto da serra, com estilo mais rústico que Penedo, mas os hotéis e pousadas são bem confortáveis. Em Visconde de Mauá também há muitas opções de cachoeiras e trilhas que levam até mirantes.

 

 


A entrada do Parque Nacional do Itatiaia fica na Estrada parque Nacional km 8,5. Para quem parte de São Paulo ou Rio de janeiro, basta seguir pela Rodovia Dutra até a cidade de Itatiaia, então seguir as placas para o parque.  Para maiores informações sobre o Parque Nacional do Itatiaia, além de Penedo e Visconde de Mauá acesse o site do Roteiro de Turismo

Leia Mais

General| 04.02.2014

 

The Brazilian runner Fernanda Maciel keeps pushing her limits. Last February 1st, at The North Face Endurance Challenge in Peru, achieved a suffered second place between women at the 80 kilometre’s race.

The starting had to be delayed in 45 minutes due to a problem with the course signage – vandals from the surrounding area had removed part of the light sticks and red flags. But at 2:45 the organization had already put them on again, after lots of effort and nerves, and the race begins. Fernanda, that was with the five first runners until the kilometre 7, some metres after the bifurcation that divided the 80 from the 50 kilometres runners, stoped seeing the sticks and the flags and got lost with a group of around 30 runners. Many kilometres later, and already with 3 hours of race, she is back at the correct track and finds the support point of the kilometre 11. Fighting against fatigue and unmotivated, and even at the 60th position, she keeps running.

In 11 hours and 28 minutes she is the second woman to cross the finish line. She is exhausted, but very proud of completing another quest. Her position is still uncertain, cause the race judges need 48 hours to study the case and prove if the first woman really didn’t do the extra loop of the 80 kilometres course, as long as some runner that were with her during the race say she didn’t.

Fernanda now is resting and recovering, but is already thinking about her next race: The North Face Transgrancanaria, in Spain, at February 27 and 28.
Let’s keep supporting her and encouraging her never to give up! 

Leia Mais

General| 04.02.2014

 

A corredora brasileira Fernanda Maciel continua superando seus limites. No último dia 1o de fevereiro, no TNF Endurance Challenge do Peru, obteve uma sofrida segunda posição entre as mulheres da prova de 80 km.
A largada é dada com 45 minutos de atraso devido a um problema com a marcação do percurso – vândalos dos arredores da zona, pelo simples feito de criar problemas, haviam removido parte da sinalização da corrida. Mas as 2:45 da madrugada a organização, depois de um grande esforço e muito nervosismo, já recolocou os sticks luminosos e bandeiras vermelhas e é dada a largada. Fernanda, que até o quilômetro 7 está entre os cinco primeiros atletas, um pouco depois da bifurcação que dividia os corredores da prova de 80 dos da de 50 quilômetros, deixa de encontrar as marcações e se perde junto a um grupo de cerca de 30 corredores. Muitos quilômetros depois, e já com quase 3 horas de corrida, ela volta a encontrar o caminho correto – o ponto de apoio do quilômetro 11. Lutando contra o desgaste e a desmotivação, e mesmo encontrando-se na 60a colocação, ela decide continuar.

Com um tempo de 11h28min é a segunda mulher em cruzar a linha de chegada. Termina exausta, mas muito orgulhosa de ter cumprido mais um desafio. Sua colocação ainda é incerta, os juízes da prova precisam de 48 horas para estudar o caso e comprovar a passagem da primeira colocada pela volta extra da prova de 80 km, já que muitos corredores que a acompanhavam dizem que a ganhadora teria cortado parte do percurso ao seguir as indicações da prova de 50 km.

Fernanda está descansando, mas já pensa na sua próxima corrida: A Transgrancanaria, na Espanha, nos dias 27 e 28 de fevereiro.
Vamos continuar torcendo por ela, e para que nunca desista de um desafio! 

Leia Mais

programador web freelance Barcelona