Ultra Trail Du Mont Blanc
General | 07.09.2014

Tony Kuprika, Rory Bosio and I were relaxing in Rory's apartament waiting for the UTMB start. "10 min to go" ... we got the backpacks and walked to the start line. Wow! How many people, my God!

UTMB is a festival, the center of Chamonix was crowded, people hanging out the windows, all photographers looking at you and putting the camera in your face. The UTMB TV coming towards me, I answered the questions and I can not even remember what they asked ... Adrenaline is an incredible drug but impossible to control it.

The heart started "pumping", I wished a toilet, but no more time for it. I said good luck to the guys, a special one to François D'Haene, Jez Bragg who were beside me and Rory ... Núria Picas came from away to give me a "luck hug". The rain began to fall too strong and I protected myself beneath the arc start. I closed my eyes, to be grateful for the opportunity to be there, I thought about the people I love, I asked blessing and protection for anyone doesn't get hurt. 10,9,8 ... let's run.
 

We started in a smooth run, Rory, Núria and the italian Frederica. The french Natalie Mounclair had passed, but I have not seen her...in UTMB are 2.500 runners. Busy start. We were talking a bit on the way to Les Houches and then Rory and Nuria gone and I stopped for my first toilet stop. Then I never stopped (not running), but going to the bathroom. A mix of adrenaline, with cold rain, with heat humidity, with anxiety ... I do not know, but I went to the bathroom 6 times before arriving in Les Contamines (km31), first check point. I was estimating to reach there with 3h10 of run, but I arrive with 3h45. I lost 35min going behind the trees. I was disappointed and weak, I found Seb Chaigneau, he hugged me and said: "go quiet and slowly, relax"! I took one coconut water, ate ½ banana, 2 tablespoons of mashed potatoes, put the waterproof jacket, rain worsened and the night would be long and hard. I said “grazie mille” to my support crew Giulia and Chiara and also "gracias" to my Spanish coach Depa, who was worried there, cheering me up as well.

Out there I decided, I will run slowly, but I have my goal clear: cross the finish line, enjoy and give my best! Gradually I was getting better (4 times in toilet this time). The nervousness left me and I was enjoying run alone down the storm and fog. Down the Coll du Bonhomme, a runner steps on my trekking pool and breaks it. Stupid man, sorry, giant mountain, had to step right in my calluses? "Shit"! : (. I arrived at a check point, they checked my material, everything ok.

I love the dowhill from the Col du Bonhomme and the next ascent, the Col de La Seige (Italy) with 2.600m altitude. I felt in ecstasy over there, running up the road and trails. How I wish this power during all course ... but it is always like that, we have good times and bad ones. This was the most special moment for me, I felt good and comfortable, even with the strong storm falling at 2am ... I felt that my strength had returned and I had to work just to balance my mind and body. The heart was ok (I love to run), also the spirit (fighter and freedom spirit), but the head and the body are the other two parts that I try to work and focus during my races.

The sunrise came wonderful to Arnuva check point before to be climbing the wicked Grand Col Ferret. The glaciers changed color with the different lights of dawn ... pure energy and pure life.



La Fouly, another check point, was the place that the organization puts the GPS in my arm, which means I'm one of the leaders. I still do not want to know my position among women, but I'm glad to know I was in the top 5. Running to Champex Lac (Switzerland) I jumped a little river and my leg was blocked ... hard pain, a problem behind the knee, my harmstring was blocked. I put some glaciar water on the legs to keep going. I couldn't open the right leg running on flat and downhill, felt more pain and trying to eliminate the pain of my breath, the leg would not open, it seemed that it was something more for my mental strength surpassed, the body would not let advance. Deep breath, blew out the pain and with patience I was running slower but comfortable to the leg.

I arrived in Champex Lac asking my position: 4th among women. But I explained to Giulia and Chiara (support crew) to be prepared for one more night ... no matter what happened, I really wish to complete the UTMB within 46 hours and my goal was to complete, going slowler or faster.



I reached Vallorcine last check point and they told me I was 4th place and my friend, the Spanish Uxue Fraile (Transvulcania 3rd, 3rd European Championship) is 1 minute behind. I picked up a new bottle of water and comes out without thinking about the tiredness, hunger or pain. It was the last effort. Affff...crazy moment...climbing up the last and most insane of all: Tête aux Vents. A high mountain that I cross running in 3h30 min ... and I still have to take the final sprint. Too much pressure: 1 minute difference. And where is the power after more than 22 hours running in those conditions? Still places never explored in the body and head for us, animals.

In the last 5 km I see Gui Padua a brazilian base jumper/runner sit down on a rock waiting to give me "motivation" with his camera to film my last steps to the finish line.

http://youtu.be/h85nU_hkM3Y



26h05 ... Sense of flying, exctasy mixed with peace, smiling face of happiness multiplied by the energy of the people who are in the center of Chamonix screaming Fernanda! Thanks to all who help me and follow me, my gratitude is immense!



Thanks to Chiara, Giulia, Depa, Gui, Seb, Rory, Dominique, Sergio, Leo, Keith, Tizi that was thinking and taking care of me all these days in Cham. Thanks to my family and amora friends. Thanks The North Face, Compressport and Overstims. Congrats to ALL that could cross this finish line and had a special moment in these mountains.

UTMB, is my last race of the season and I finish the Ultra Trail World Tour in second place behind Núria Picas (right now, but is difficult to imagine other runner passing us by points after the Diagonal de Fous, the last race of the circuit, I hope). I'm happy with the Brazilian record (men and women) obtained at UTMB and TDS races, that means persistence, just that, all the brazilians can go for it. After crossing the finish line, I sat down and I couldn't stretch more my leg. I had some broken fibers, but nothing serious, a week of rest and then continue enjoying my vacation of running in Brazil, preparing for my next project White Flow Aconcagua in december. #movepositive #bellezapura #letzrun #vamos # utmb14 #obrigada #merci #tks #gracias #welovemountains

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eu, Tony Kuprika e Rory Bosio nos concentramos no apê da Rory ao lado da largada até às 17h20, “10 min to go”... colocamos a mochila e caminhamos até o pórtico. Quanta gente, meu Deus, UTMB é um festival, a praça estava lotada, pessoas dependuradas pelas janelas, todos os fotógrafos te olhando e colocando a câmera na sua cara. A UTMB TV vindo em minha direção, respondi as perguntas e nem me lembro mais o que perguntavam...adrenalina é uma droga incrível e impossível de ser controlada. O coração começou a “bombar”, vontade de ir no banheiro, já não dava mais tempo, dei boa sorte aos meninos, um especial ao François D'Haene, Jez Bragg que estavam ao meu lado e à Rory... Nuria veio de longe para me dar um abraço de sorte, somos amigas. A chuva começou a cair forte demais, me protegi em baixo do arco de largada, fechei meus olhos, agradeci a oportunidade de estar ali, pensei nas pessoas que amo, pedi benção e proteção para ninguém se machucar. 10,9,8...fui.

Largamos numa boa, eu, Rory, Nuria Picas e a italiana Frederica. A francesa Natalie Mounclair, havia passado, mas eu não a vi, no UTMB são 2.500 corredores. Estivemos ali por um tempo conversando até Les Houches e depois Rory e Nuria se foram e eu parei para meu primeiro toilet stop. Depois, não parei mais (não de correr), mas de ir ao banheiro. Uma mistura de adrenalina, com frio da chuva, com calor da umidade, com ansiedade...não sei, mas fui 6 vezes ao banheiro antes de chegar em Les Contamines (km31), primeiro check point. Calculava em chegar ali com 3h10, e cheguei com 3h45. Perdi 35min nestas idas atrás das árvores. Fiquei desilusionada e fraca, encontrei Seb Chaigneau, este me abraçou e disse: “vai tranquila”! Tomei uma água de coco, comi ½ banana, 2 colheradas de batata amassada, coloquei a jaqueta impermeável, a chuva piorava e a noite seria longa e dura. Agradeci o apoio da Giulia e Chiara (italianas que fazem minha assistência) e também dei um “gracias” ao meu treinador espanhol Depa, que estava por ali preocupado, me animando neste momento.

Sai dali decidida, correrei devagar, mas meu objetivo eu tenho claro: cruzar a meta e dar meu máximo! Aos poucos fui melhorando, o nervosismo passou, ninguém mais me via, corria sozinha embaixo do temporal e da neblina. Descendo o Coll du Bohomme, um corredor pisa no meu trekking pool e quebra. Sacanagem, tanto lugar para pisar num montanha tão gigante, tinha que pisar bem no meu calo? “Mierda” disse ao corredor francês. Já eram os bastões. Chego em um check point e revistam meu material, tudo ok.

Amo este dowhill do Col du Bohomme e a subida que vem na sequência, o Col de La Seige (Itália), é uma subida de 2.600m de altitude. Me sentia ali em êxtase, corri toda a subida, tanto nas partes das pistas, como nas trilhas, me senti “power” neste momento. Como eu queria que isto durasse...mas é sempre assim, temos momentos bons e ruins. Este foi o momento mais especial para mim, me senti bem e confortável, mesmo com o temporal forte caindo às 2 horas da madrugada na minha cabeça...ali vi que minhas forças tinham voltado e que tinha apenas que trabalhar para equilibrar cabeça e corpo. O coração eu tenho (amor por correr), o espírito também (vontade de lutar e sentir livre), mas a cabeça e o corpo são as duas outras partes que eu sempre tento trabalhar e focar durante minhas provas.

O dia amanheceu maravilhoso antes de descer a Arnuva e subir o tão temido Grand Col Ferret. Os glaciares mudavam de cor com as diferentes luzes do amanhecer...pura energia e pura vida.

Em La Fouly, mais um check point, e a organização me coloca o GPS no braço, o que quer dizer que sou uma das líderes. Sigo sem querer saber minha posição entre as mulheres, mas fico feliz em saber que estou entre as 5 melhores. Sigo em frente em direção a Champex Lac (Suiça). Salto um riacho para seguir pela trilha e minha perna trava...que dor, um estiramento atrás do joelho, nos isquios. Começo a mancar, que dor estranha, passo água gelada de glaciar e sigo com dificuldade, porém tentando esquentar o músculo para queeu consiga abrir a passada.

Não conseguia abrir a passada da perna correndo em plano e nas descidas, sentia dor e por mais que tentava eliminar a dor das minhas sensações, a perna não abria, parecia que era algo que por mais que minha força mental superasse, o corpo não deixava avançar. Respirava fundo, soprava a dor para fora e com paciência, ia correndo num ritmo mais devagar porém confortável para a perna. Chego em Champex Lac, pergunto minha posição: 4ª entre mulheres. Porém explico a Giulia e Chiara que estivessem preparadas para me apoiarem por mais uma noite... independente do que acontecesse, eu poderia completar a UTMB em até 46 horas e o meu objetivo era completar, indo mais devagar ou rápida.

Chego em Vallorcine, último check point e me dizem que estou em 4º lugar e minha amiga, a espanhola Uxue Fraile (3ª Transvulcania, 3ª European Championship) está a 1 minuto por detrás de mim. Peguei uma nova garrafinha de água e sai sem pensar no cansaço, na fome ou dor, faltava pouco e era o último esforço. Affff, agora restava subir a última e mais insana de todas: Tête aux Vents. Uma montanha alta que cruzo correndo em 3h 30 min...e eu ainda teria que dar o último sprint. Muita pressão:1 minuto de diferença. E de onde tirar forças depois de mais de 22 horas correndo naquelas condições? Animal ameaçado tira forças de lugares ainda nunca explorados no corpo e cabeça.

Nos 5 últimos quilômetros vejo o Gui Padua, um corredor base jamper brasileiro muito querido que me esperava sentando numa pedra para me dar “ânimos” e com sua câmera registrar minhas últimas pernadas até a linha de chegada.

http://youtu.be/h85nU_hkM3Y

26h05...Sensação de voar, um êxtase misturado com paz de espírito, sorriso no rosto de felicidade multiplicada pela energia das pessoas que estão na praça de Chamonix tocando nas minhas mãos e gritando Fernanda! Obrigada a todos que me ajudam e me seguem, minha gratidão é imensa!

Obrigada Chiara, Giulia, Depa, Gui, Seb, Rory, Sergio, Dominique, Leo, Keith, Tizi que cuidaram tanto de mim em Chamonix. Obrigada minha linda family e amigas amoras. Obrigada TNF, Compressport Brasil e Overstims. Parabéns a TODOS que conseguiram cruzar a linha de chegada e puderam passar um momento especial por estas montanhas.

Com esta corrida UTMB, termino minha temporada de provas, finalizo o circuito mundial de Ultras como vice-campeã atrás de Núria Picas (até o momento, imagino que seja difícil alguma outra corredora nos passar por pontos depois da Diagonal de Fous, última corrida do circuito).

Fico feliz com o record brasileiro (entre homens e mulheres) obtido na UTMB e TDS e dou férias para meu corpo e cabeça. Depois de cruzar a chegada, sentei e não consegui mais esticar a perna, tive algumas fibras quebradas, mas nada sério, uma semana de repouso para depois seguir curtindo minhas férias de corridas pela Europa, Brasil e preparar meu novo projeto White Flow Aconcagua em dezembro. #movepositive #bellezapura #letzrun #vamos #utmb14 #obrigada #merci #gracias #tks #welovemountains


programador web freelance Barcelona